3 de jul de 2011

AS MANIFESTAÇŐES MELÂNICAS NOS CANÁRIOS DE COR

Todo criador de canários já ouviu falar exaustivamente sobre as melaninas como elemento integrante da cor dos pássaros da "linha escura". Este componente da cor, apresenta variantes extremamente interessantes e a sua compreensăo é muito importante para o nosso desempenho nos concursos. 
Tentaremos analisá-las da forma maissimples para poder melhorar o conhecimento das mesmas. 
As melâninas presentes na plumagem dos canários pode ser divididas em 2 grandes grupos: Eumelaninas e Feo_melaninas. 
TONALIDADES
Eu-melaninas: se apresentam em duas tonalidades diferentes: marrom e negra.
EU-MELANINAS NEGRAS: está presente exclusivamente nos canários cobres e suas mutaçőes e nos ágatas e suas mutaçőes.
Eu-melanina marrom: está presente nos canários canelas e suas mutaçőes e nos isabelinos e suas mutaçőes.
Feo-melanina: se apresenta numa tonalidade marrom "chocolate" ou "bege". Está presente em todos os canários da linha escura. 
A título de comentário, podemos dizer que recentemente, apareceu na Espanha uma mutaçăo que muda a tonalidade da feo-melanina de marrom para o preto, mas esta mutaçăo ainda năo está reconhecida oficialmente. 
DISTRIBUIÇĂO
As eu-melaninas, tanto pretas como marrons, se apresentam de duas formas diferentes na plumagem: 1) desenho, 2) envoltura
1)Desenho: A eu-melanina tem como característica principal a sua concentraçăo no centro das penas. A superposiçăo das penas com concentraçăo de eu-melanina no centro provoca um verdadeiro desenho na plumagem dos canários, principalmente no dorso e flanco, aparecendo estrias bem características. Nos canários cobres, azuis, verdes e canelas, estas estriais de eu-melanina devem ser o mais largas, escuras e contínuas possíveis.
Nos canários ágatas o desenho deve ser o mais fino possível, além do negro e entrecortado. 
Nos canários isabéis deve ser fina, nítida, de tonalidade bege e entrecortado. 
2)Envoltura: além da presença concetrada do centro das penas, a eu-melanina também se apresenta em forma "dispersa" em toda a plumagem formando um conjunto de tonalidade característica chamado de envoltura. 
Nos canários azuis, cerdes e cobres, a visualizaçăo da envoltura é muito fácil, considerando que a eu-melanina é negra e nesses canários deve apresentar a sua máxima expressăo. Olhando por exemplo o peito desses canários, apreciamos a presença da envoltura da eu-melanina negra sem desenho, o que facilita a compreensăo do conceito de envoltura. 
Nos canários canelas, a eu-melanina marrom também deve apresentar a maior presença possível de envoltura, dando ao conjunto de plumagem uma tonalidade marrom o mais escura possível. 
Nos exemplares ágata e isabel, a envoltura deve ser o mais reduzida possível, sendo esta característica a que mais o diferencia dos anteriores. Desta forma, quando olhamos o peito do ágata e isabéis, devemos poder apreciar a cor de fundo (branco, amarelo ou vermelho) o mais nítida possível. 
As feo-melaninas tem como expressăo mais característica, a presença na regiăo periférica das penas, sempre numa tonalidade que varia do bege ao marron "chocolate". 
IDENTIFICAÇĂO
A eu-melanina é a mais fácil de distinguir, por se tratar da única que apresenta a cor preta. As feo-melaninas e eu-melaninas marrons, apresentam bastante dificuldades quando juntas, devido a que ambas săo marrons, variando apenas a sua tonalidade, fato este que exige bastante experięncia para uma correta identificaçăo.
PADRŐES PARA JULGAMENTO
Nos canários chamados "clássicos"(azuis, verdes, cobres, ágatas, cabelas e isabéis), a presença de feo-melanina deve ser a maior possível, permitindo uma maior nitidez nos desenhos e envoltura desses exemplares.
A presença de feo-melanina também é indesejada em todas as outras expressőes melânicas em que deve aparecer desenho em forma de estrias. Desta forma podemos dizer que a presença de feo-melanina é indesejada em todas as cores de canários da linha escura. Com exceçăo dos canários canelas, pastel isabel, pastel e feos. No caso dos canários canelas opalinos, temos notado na prática que quando utilizados reprodutores com presença de feo-melanina extremamente reduzida, os filhotes apresentam um desenho extremamente reduzido, razăo pela qual temos concluído que nos canela opalinos, embora a presença de desenho eu-melânico e o elemento mais importante, podemos aumentar a carga melânica dos filhotes utilizando reprodutores com feo-melanina.
ACASALAMENTO
Feitas as observaçőes acima, devemos concluir qur dependendo da cor que desejamos obter, será um tipo de reprodutor a utilizar. Considerando por exemplo que desejamos obter um canário canela pastel de excepcionais qualidades, concluímos que devemos utilizar reprodutores com pouco desenho e bastante carga de feo-melanina, o mesmo ocorrendo com os canários feos. Já no caso dos canários clássicos, sempre devemos procurar a reduçăo da feo-melanina. Um excelente canela tem muito pouco feo-melanina, razăo pela qual deverá ser acasalado dentro de um plantel de feos. Já os melhores canelas para obter feo-inos, devem apresentar a maior carga feo melânica possível, e por este motivo, quanto melhores forem para produzir feo-inos, piores serăo como exemplares de concurso.
Como comentário final, gostaria de enfatizar como elemento de extrema importância no ęxito do seu produto, o profundo conhecimento da cor a ser desenvolvida. Utilize sempre como ponto de partida o objetivo final a ser perseguido e em funçăo dele, realizar-se os acasalamentos corretos. Quando o objetivo final é obter canários clássicos, fixe bem a sua atençăo na prioridade do desenho envoltura e ausęncia de feo-melanin, etc. conhecendo bem o seu objetivo final, tenho certeza que saberá escolher sempre o caminho certo. Boa Sorte!!
Álvaro Blasina
Juiz OBJO/FOB de Canários de Cor
Extraído Revista CEDO - 1998

Nenhum comentário:

Postar um comentário