5 de ago de 2011

VITAMINAS

VITAMINAS
Existe uma preocupação dos criadores em proporcionar a seus canários uma
alimentação balanceada de vitaminas e todos procuram um "remédio" que os conduza a
uma prole saudável com elevado número de filhotes. Conheça os efeitos das vitaminas
importantes para seus pássaros e sua fonte natural.
Vitamina A:
Essencial para o crescimento da ave, atuando sobre a audição, o equilíbrio e visão da
ave. Encontra-se nas verduras, na casca de maçã, cenoura, gema de ovo e no óleo de
fígado de bacalhau.
Vitamina B:
Atua no sistema nervoso, previne doenças do fígado, rins e coração. Encontra-se na
levedura de cerveja, trigo, cascas das sementes, verduras, gema de ovo, tomate.
Vitamina B1:
Atua no desenvolvimento muscular, sistema nervoso, postura e desenvolvimento do
embrião. Encontra-se na maçã e gema de ovo.
Vitamina B2:
Atua nos ovos, dando maior fertilidade, crescimento dos filhotes e sistema nervoso. Sua
ausência pode causar raquitismo e o peso baixo. Encontra-se no alpiste, gema de ovo,
leite, óleo de fígado de bacalhau.
Vitamina B3:
Fortifica e mantém a textura da pela. Encontra-se na gema de ovo e nas sementes.
Vitamina B6:
Atua sobre o fígado, sistema nervoso, crescimento e a pele. Encontra-se nos cereais,
almeirão e gema de ovo.
Vitamina B12:
Necessária ao crescimento e nascimento dos filhotes. Encontra-se nos complexos
vitamínicos como: farinha de peixe, complexo B, Vitamina A, Daiamineral, Gerval em pó
e Terragran.
Vitamina C:
Previne das enfermidades infecciosas no aparelho respiratório. Encontra-se nas frutas
frescas e alimentos verdes.
Vitamina D:
Atua na boa formação óssea e combate o raquitismo. Encontra-se na natureza através
dos raios solares, no óleo de fígado de bacalhau, gema de ovo e verduras.
Vitamina E:
Atua na reprodução, ajudando na boa fecundação dos ovos. Encontra-se no óleo de
germe de trigo, gema de ovo e verduras.
Cálcio:
Um forte componente para a formação e reforço do esqueleto, e do aparelho reprodutor
das fêmeas. Encontra-se no osso moído, farinha de ostra e nos ossos de peixe.
Cobalto e cobre:
São minerais que atuam como catalizadores no organismo das aves, devendo serem
empregados junto com as vitaminas.
Cloreto de sódio:
Possibilita aos glóbulos vermelhos sua função de portadores de oxigênio e permiti a
dupla decomposição mediante a qual o organismo separa os sais de potássio.
CONCLUSÃO:
Os canários para estarem bem nutridos devem ser alimentados com uma ração
balanceada de vitaminas. Como sugestão, apresentamos:
1. Mistura de grãos: alpiste, aveia, colza, níger, nabão, linhaça e cânhamo. (nas
proporções descritas na página de sementes).
2. Farinhada levemente umedecida com óleo de fígado de bacalhau, salpicada de
gema de ovo cozido (por mais de 20 minutos) e com pequenas pitadas de carophil
red.
3. Avitrin ou outro complexo vitamínico na água diariamente (uma gota por
bebedor de 100 ml).
4. Verduras verdes escura, em dias alternados (vide a página de verduras).
5. Banhos diários, principalmente no período de calor.
6. 15 a 30 minutos de banho de sol pela manhã.

Vermelho Mosaico Lipocromo

Vermelho Mosaico Lipocromo
Uma opinião para uma base prática de criação
Carlos Lima
Juiz Internacional / O.M.J.
Revista SPCO 2002
Como criador e Juiz de canários de cor, desde muito jovem dedico a minha atenção a
este maravilhoso canário, que tantas paixões suscita.
Muitos criadores do factor mosaico, são constantemente confrontados com diversas
situações, não conseguindo obter respostas.
Muitos juizes (nacionais ou internacionais) têm um critério diferente de avaliação nas
exposições que participam.
Como exemplo os criadores belgas e holandeses, apreciam um canário mosaico, que
apresente um manto muito branco, luminoso, não dando tanta importância à
intensidade do vermelho nas zonas de eleição (máscara grande e cheia - ombros e
rabadilha, com um vermelho intenso e remiges completamente brancas).
Em contrapartida os criadores italianos especialistas no factor mosaico e muito mais
avançados apreciam uma ave com uma cor mais profunda o que permite um maior
contraste (combinação do vermelho intenso, luminoso nas referidas zonas de eleição
com um branco imaculado).
Considerando que o gene mosaico (m) está influenciado pelo sexo e não ligado ao sexo.
O gene mosaico alelo (gene que determina o mesmo carácter) a saber dos genes
intensos e nevados ao qual o gene mosaico determina a distribuição do pigmento
amarelo ou vermelho, em determinadas zonas do corpo (zonas de eleição).
- Cabeça
- Ombros (com intensidade máxima)
- Rabadilha
Os genes intenso e nevado (são alelos entre si) pois determinam a distribuição do
lipocromo nas penas do canário.
Dito isto, facilmente compreendemos como alguns canários mosaicos, apresentam
nevadura nas zonas de eleição, outros o inverso são mais intensos, pelo que são mais
valorizados nas exposições.
Quando um canário apresenta uma simples dose do gene
nevado (uniformidade lipocromica) ou do gene mosaico (distribuição localizada) o
fenótipo que apresenta é intermédio, já que os
genes são codominantes (pois têm igual força genética) produzem no entanto um
fenótipo mesclado entre ambos os caracteres.
As fêmeas apresentam um fenótipo de machos mosaicos
(máscara na cabeça) e os machos em fenótipo de fêmeas (máscara partida).
MODELO MOSAICO
Na criação de canário mosaico, é difícil estabelecer prioridades.
Como exigência do criador, torna-se necessário estabelecer um modelo de mosaico
completo (máscara cheia - intensa, peito muito marcado) para os machos, ao contrário
a fêmea deve apresentar, lipocromos intensos e uma bela linha ocular (fêmea de
exposição).
Uma cabeça bem redonda, para fazer realçar a máscara.
A presença dum factor "óptico" que determina a intensidade do lipocromo e o factor
"craie" que determina um manto branco opaco, luminoso e sedoso.
Presentemente os especialistas deste factor, possuem conhecimentos profundos
exigindo do criador uma orientação certa para a linha que pretendem criar, a saber:
- Linha Macho
- Linha Fêmea
- Linha intermediária
Significa que teremos 3 linhas distintas
CRUZAMENTOS


 
Linha Macho tipo 2
Macho máscara cheia e lipocromos intensos X Fêmea com máscara e lipocromos
intensos
Deste cruzamento apenas resultam machos para as exposições, pois apresentam as
características referenciadas.
As Fêmeas apresentam lipocromo intenso na cabeça (máscaras umas maiores outras
menores) não servem para exposições mas são de grande utilidade para produzirem
bons machos.




Linha Fêmea tipo 1
Macho com máscaras reduzidas ao mínimo sem lipocromo sob o bico idênticos as
fêmeas, que são utilizadas no cruzamento n° 1.
X
Fêmea apenas com uma bela linha ocular (exposição) mas sempre com um lipocromo
intenso.
Deste cruzamento resultam belas fêmeas, para serem expostas em concurso.
Quanto aos machos, apresentam as características idênticas às fêmeas referenciadas no
cruzamento n° 1 não servindo para as
exposições.


Linha Intermediária
Macho com máscara intensa, mas com menos intensidade de lipocromos (zona de
eleição da cabeça delimitada na sua extensão)
X
Fêmea apenas com uma bela linha ocular, ou com máscara.
Deste cruzamento resultam:
Machos intermédios
Fêmeas de exposição
Fêmeas com máscara mais ou menos intensa
Nota importante:
O mosaico é um verdadeiro canário de desenho, sendo o contraste de cores, de grande
importância na sua seleção.
- Ao contrário do que muitos criadores de idéias tradicionais pensavam e diziam, que
era benéfica a introdução do factor marfim
em possíveis acasalamentos, este conceito é totalmente errado.
- O factor marfim introduzido nos canários com factor mosaico (vermelho ou amarelo)
diminui a qualidade da cor de fundo,
conduzindo-nos automaticamente a um modelo de canário, menos colorido (intensidade
diminuída) e como conseqüência uma perda
enorme do contraste do vermelho ou amarelo intenso com a cor branca.
- No entanto o factor marfim, têm outra característica importante, conduzindo-nos ao
melhoramento da plumagem o que é bem
positivo neste acasalamento.
- Quanto à coloração destas belas aves, é idêntica aos demais canários de cor (factor
vermelho), iniciando-se a partir do 45° dia:
70 gr de Carofil Red
30 gr de Bogena intensif.
Total -100 gr
Desta mistura por cada Kg de papa húmida adiciona-se 5 a 8 gr de colorante.