5 de ago de 2011

A SELEÇÃO DA PLUMAGEM NOS CANÁRIOS DE COR

A SELEÇÃO DA PLUMAGEM NOS CANÁRIOS DE COR
Álvaro Blasina - Juiz OBJO - COM
O objetivo principal que todos nós canaricultores perseguimos é bem claro: a obtenção
de exemplares cada vez mais bonitos e de acordo com os padrões indicados no Manual
de Julgamento da OBJO. Embora inicialmente pareça fácil, é verdadeiramente difícil de
se obter exemplares de 90 pontos ou mais. Este objetivo, para o qual tanto esforço
dedicamos, nos leva a concentrar os nossos estudos e experiências no sentido de
aprimorar cada vez mais técnicas de cruzamentos para obtermos os resultados
esperados. A genética possui muitos fatores, alguns deles difíceis de dominar, que
representam as ferramentas de trabalho fundamentais para êxito. Cada um dos
elementos a serem selecionados, tem os segredos e eles são muitos, mas neste artigo
gostaria de me referir especificamente à plumagem.
O que há de verdadeiramente certo em tudo aquilo que ouvimos dos colegas
canaricultores referente aos cruzamentos para aprimorar a plumagem dos nossos
canários? Todos nós já ouvimos falar de muitas teorias (a maioria delas sem base
científica nem comprovação prática suficiente) referentes à plumagem. Quem já não
ouviu falar que para melhorar a qualidade dos brancos devemos cruzá-los com pássaros
intensos?, ou que o fator marfim melhora a plumagem dos canários?, etc. Como uma
inverdade repetida mil vezes se transforma em verdade, creio que algo disto acontece
com uma série de mitos referente à plumagem. Após vários anos de observação tenho
notado que aqueles conceitos tidos como verdades irrefutáveis, na realidade não são
outra coisa se não o nosso próprio hábito de aceitar esses argumentos só porque outros
criadores nos falaram deles, sem fazer as nossas próprias comprovações.
Podemos dividir a qualidade da plumagem em três grandes grupos: plumagem curta e
colada ao corpo, plumagem longa e fofa e plumagem com presença de quistos. A
transmissão genética destas qualidades se efetua por dominância parcial ou semidominância.
Podemos dizer então que a qualidade da plumagem dos filhos em sua
maioria será um valor intermediário entre os valores individuais do pais; estes valores
são matematicamente exatos. É muito comum por exemplo que ao cruzarmos dois
pássaros de pena longa, apareçam vários fiIhos com problemas de quistos. Por outro
lado a avaliação genética da plumagem de um exemplar é as vezes muito difícil, já que
ela é sem dúvida uma das características do canário cujo fenótipo pode sofrer mais
alterações quando afetado por agentes externos (debicagem, alimentação, saúde, etc.).
é fundamental deixar bem claro que o fator qualidade da plumagem é do ponto de vista
genético absolutamente independente de qualquer outro fator seja ele qual for. A única
exceção que poderiamos fazer refere-se aos canários opalinos negro-marrons oxidados
que tem uma tendência evidente para problemas de plumagem. Podemos afirmar que
os três grupos de qualidade de plumagem acima mencionados, estão presentes em
todas as variedades, categorias e tipos de canário. Pode eventualmente haver uma leve
tendência de um ou outro caso para problemas de plumagem, mas mesmo assim, a
mesma é bem inferior ao que popularmente se fala.
Analisemos algumas afirmações frequentemente colocadas:
A utilizacão de marfins melhora a plumagem?
Definitivamente não. Após mais de 10 anos criando canários marfins posso afirmar que
não existe a menor relação entre o lipocromo marfim e a qualidade da plumagem.
Encontramos entre os canários marfins todas as qualidades de plumagem na mesma
proporção que nos canários não marfim. Se cruzarmos um canário marfim com outro
não marfim e os filhotes nascerem com boa plumagem, isto se deverá exclusivamente
as qualidades genéticas dos pais para o fator de boa plumagem independentemente do
fator marfim.
O uso de intensos melhora a qualidade da plumagem dos brancos?
A resposta é negativa. Nunca conheci nenhuma linhagem de canários brancos,
ganhadora nos concursos que utilizasse exemplares intensos em seus cruzamentos.
Encontramos entre os pássaros intensos todas as qualidades de plumagens razão pela
qual podemos concluir que inclusive utilizando canários intensos (se estes forem de
plumagem ruim) podemos é piorar a qualidade da empenação do nosso produto.
Cruzamento de nevado com nevado piora a plumagem?
Não necessariamente. Dependerá da qualidade da empenação dos progenitores, mas
não da sua categoria. Voltando ao exemplo anterior, parece-nos interessante ao caso
dos brancos, já que as melhores linhagens que conhecemos foram feitas cruzando
canários nevados entre si sempre tomando muito cuidado para que os mesmos tivessem
empenação bem sedosa. Como se este argumento não bastasse, se voltarmos ao
canário ancestral assim como outros pássaros da sua família, constataremos que eles se
cruzam entre si em estado selvagem, nevados com nevados, sem prejudicar
absolutamente em nada a qualidade da plumagem.
Os canários mosaicos dão muitos quistos na plumagem?
Esta resposta é mais uma vez a mesma. Tudo dependerá da qualidade da empenação
dos pais e não da sua condição de mosaicos. Conhecemos excelentes criadores no Brasil
especializados na criação de mosaicos com uma incidência muito baixa de problemas de
plumagem e aparecimento de quistos. Também temos notado que na Europa por
exemplo, através de cruzamentos criteriosos, este problema está praticamente
erradicado obtendo-se canários mosaicos com uma plumagem de causar inveja a
qualquer intenso.
Assim como tema da plumagem dos canários (que é inesgotável), existe nas outras
múltiplas características dos canários de cor uma infinidade de fatores genéticos de alto
valor para a melhora da qualidade das nossas queridas aves. Independentemente das
verdades transmitidas oralmente, façamos as nossas próprias conclusões e publiquemos
as mesmas para o bem de todos.
Revista Técnica Anual / junho 1997
Depto. Técnico: Maurício Floriano, Nelson Daniele

Nenhum comentário:

Postar um comentário