3 de jul de 2011

GLOSTER - Standart

O canário Gloster terá surgido há cerca de 80 anos, e foi o trabalho da sra. Rogerson Chelthenham que contribui para tal, ao cruzar um canário border com um canário vulgar de poupa, mas esta origem não é reconhecido por todos. Acabou por ser apresentado pela primeira vez na Inglaterra, em Londres, por volta de 1930-1932 e foi um grande sucesso. O Gloster tornou-se, sem dúvida, a raça de canários de postura mais popular. O seu baixo custo, facilidade de reprodução e a sua fisionomia simpática tornaram-no uma das raças mais procuradas pelos criadores amadores.

Apresentação
Época: ­­­mais ou menos 1930
Cor: plumagem de diversas cores excepto vermelho
Origem: Inglaterra
Particularidades: bom reprodutor, indicada para criadores inicianters
Tamanho: 11 a 12 cm

Características da raça:
É possível distinguir dois tipos de gloster:
O gloster corona: que possui coroa
O gloster consort: que não possui coroa








Gloster corona
No caso do gloster corona, a coroa deve estar bem redonda e colada ao pescoço, com um pequeno ponto central. O corpo deve ser arredondado com o dorso largo. A plumagem lisa e colada, as patas curtas e as coxas cobertas.






Gloster consort
No caso do consort as características são idênticas, mas sem coroa. A cabeça deve ser redonda e larga, com sobrancelhas bem marcadas. O bico curto e afiado.









Atenção: deve-se sempre acasalar um gloster consort com um gloster corona, pouco importa que seja o macho ou a fêmea. Nunca se deve acasalar dois coronas ou dois consortes. Nestes casos ocorrer defeitos e uma taxa de mortalidade mais elevada.
Como avaliar um gloster?


Poupa no corona: a poupa ou coroa deve ser abundante, simétrica, com um ponto central o mais pequeno possível. A poupa deve pousar sobre a nuca de forma homogénea e sem quebras
Cabeça do consorte: cabeça larga, bastante grande, com sobrancelhas bem proeminentes. O bico deve curto e cónico.
O corpo: o corpo deve ser arredondado, curto e atarracado. O peito deve ser largo sem saliências. O dorso deve ser largo, atenção as costas não devem ser planas. A fixação das asas deve ser invisível assim como o pescoço permitindo traçar uma linha ovóide entre corpo e cabeça.
A cauda: a cauda deve ser estreita, curta, com plumagem serrada e no prolongamento do corpo.
Postura: Muito importante: a ave deve adoptar uma posição semi elevada e saltar de um poleiro para outro sem excitação e nervosismo.
Pernas e patas: altura media, as coxas não devem ser observadas, e as patas sem os dedos tortos e com todas as unhas.
Tamanho: 11 a 11,5 cm
Condição geral da ave: deve-se apresentar saudável e em perfeitas condições de higiene.




Cruzamento Corona x Corona

Por vezes não é fácil para os leigos perceberem porque razão não é aconselhado o cruzamento de duas aves com corona. A explicação é que o factor “corona” é um gene dominante, a dominância de um gene em relação a outro exprime-se pelo facto de um canário heterozigótico para esse gene se exprimir fenotipicamente para esse gene. De uma forma mais simples, um canário que tenha um gene “corona” no seu património genético terá corona. A particularidade dos genes dominates é que eles são letais no estado homozigótico. O embrião que possua o gene corona duas vezes (CC) não será viável. O acasalamento de dois canários coronas é por isso um risco. O quadro seguinte ajuda a perceber melhor o resultado do acasalamento Corona x Corona.






Nenhum comentário:

Postar um comentário